Famortos: Marina Abramovic

A artista, de 75 anos, fala sobre abraçar a mortalidade, sua arte puramente emocional, espiritualidade e comunismo, e como o sexo está melhorando após a menopausa.

Tenho 75 anos. Minha avó, que viveu até os 103 anos, me disse que 70 é quando a vida começa a ser realmente interessante. Você é livre para fazer o que quiser, você tem toda a sabedoria para fazer isso. O que é chato é se você está doente; mas se você é saudável, a vida neste estágio é incrivelmente agradável.

Eu penso em morrer todos os dias. É apenas quando você pensa em morrer que você aproveita plenamente a sua vida. Isso significa que você não pode mentir; tudo o que não é importante desaparece, e você sabe que a morte pode acontecer a qualquer minuto, a qualquer hora – você está no último ato. Você tem que pensar no que vai deixar à sociedade: como artista, você tem essa obrigação. Porque se você tem um dom, tem que lidar com ele com cuidado. O presente não é dado a você pessoalmente, é dado a você para dar à sociedade. Você tem que pensar cuidadosamente sobre como vai deixar um trabalho significativo para trás.

O legado é muito importante. Se eu morrer neste minuto, o que deixarei para trás? Uma coisa pela qual fui responsável é colocar a arte da performance no mainstream, porque não havia ninguém neste território antes. A arte performática foi ridicularizada, não era considerada arte de forma alguma. Levou toda a minha vida, 50 anos da minha carreira, mas agora faz parte da vida do museu, parte da cultura, parte das coleções.

Para muita arte, você tem que entendê-la intelectualmente – você tem que ler muitos textos, essa é a chave para isso. Mas não é assim com a minha arte. A minha é puramente emocional: atinge você no estômago. Esse tipo de arte pertence a todos; você não precisa de nenhum conhecimento anterior.

Eu estive com Ulay [colega artista performático Frank Uwe Laysiepen] por 12 anos. Ele foi o amor da minha vida. E então ele me processou. Foi terrível – perdi em todos os pontos. Eu estava incrivelmente zangada. Mas um dia abri os olhos e disse: “OK, perdi. Qual é o próximo?” E o que veio a seguir foi o perdão. Ele faleceu em 2020 e tivemos este último ano maravilhoso de sua vida quando realmente nos tornamos amigos. Foi um sentimento incrivelmente recompensador, porque a raiva é venenosa, não apenas para a outra pessoa, mas também para você mesmo. Agora me lembro de Ulay com ternura.

Eu nunca quis filhos. Você tem uma energia em seu corpo e no momento em que sua energia se divide entre ser artista e ser mãe, um ou outro sofre. Todos os meus amigos me convenceram a ser madrinha de seus filhos, e isso foi maravilhoso – e também, todos os meus alunos são meus filhos. E estou muito orgulhosa de todos eles.

Sexo é muito importante para mim. Sempre foi. Muitas pessoas pensam que depois da menopausa as mulheres desistem da ideia de sexo. Para mim, o sexo desde então tem sido melhor, porque você não precisa se preocupar com a gravidez. No momento, tenho um namorado que é 21 anos mais jovem. É ótimo! Eu não tenho nenhum problema em ser sexualmente ativa. Isto me faz feliz. Eu vejo o sexo como um equilíbrio necessário junto com boa comida, humor e alegria de viver.

Morei com minha avó até os seis anos e ela era o centro do meu mundo. Meus pais eram comunistas, mas minha avó odiava comunistas. Ela era altamente espiritual – de manhã ela acendia uma vela e orava. Houve uma sensação de paz e tranquilidade que permaneceu comigo por muito tempo. Mas da minha mãe e do meu pai eu tenho tudo a ver com força de vontade e coragem e a ideia de que sua vida não é importante, o que importa é a causa para a qual sua vida existe, seu propósito. Essa combinação de espiritualidade e comunismo é o que me fez.

Texto de Joanna Moorhead originalmente publicado em The Guardian

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: