Ninguém disse (ou vai dizer) que enfrentar a morte é fácil

A fundadora da Order of the Good Death Caitlin Doughty nos mostra que encarar a morte não é fácil. Mas vale a pena.

Recentemente, um seguidor da Ordem fez um comentário no sentido de “é errado fazer parecer que trabalhar com a morte é fácil”.

Fácil? Não. Por Deus, não. Há uma diferença entre fazer com que encarar a morte valha a pena e fazer com que encarar a morte pareça fácil. Claro que não, não é fácil – mas vale a pena. Se você estiver fazendo certo (e por “certo”, quero dizer não tentar negar a morte) chegar a um acordo com sua própria mortalidade será a coisa mais difícil que você fará.

Depois de terminar Guerra e Paz, Leo Tolstoy começou a ler os grandes filósofos, tentando convocar o desejo de suportar a morte e a destruição que atormentavam a existência humana. Ele não era um homem velho. Ele era jovem e saudável, um escritor de sucesso com esposa e família, no auge do vigor. Ele simplesmente não podia aceitar que a morte pudesse (e muito facilmente iria) tirar tudo dele.

Tolstoy escreveu em seu Notes of a Madman que acordou às duas horas da manhã e foi subitamente “tomado por um desespero, um medo, um terror como eu nunca tinha conhecido antes.” Aqui ele se questiona:

“Isso é ridículo”, disse a mim mesmo. – Por que estou tão deprimido, do que tenho medo?

– ‘De mim’, – respondeu a Morte. ‘Eu estou aqui.’

“Um arrepio percorreu minha pele. Sim, morte. Ele virá, já está aqui, embora não tenha nada a ver comigo agora … Todo o meu ser doía com a necessidade de viver, o direito de viver, e, no mesmo momento, senti a morte em ação. E foi horrível ser dilacerado por dentro. Tentei me livrar do meu terror. Encontrei o toco de uma vela em um castiçal de latão e o acendi. A chama avermelhada, a vela, mais curta que o castiçal, todas me contaram a mesma história: não há nada na vida, nada existe senão a morte, e a morte não deveria existir! ”

Tolstoy achava que ele era um homem racional. Quando comecei a trabalhar na indústria funerária, pensei que era uma mulher racional. Mas, diante da compreensão da morte em sua forma verdadeira e crua, às vezes não há nada a fazer a não ser vomitar, cuspir, chorar. Como nós dois, ele em um quarto escuro em uma pousada em Arzamas, Rússia, eu em um crematório no norte da Califórnia.

Ainda hoje é difícil para mim entender aqueles que insistem que não precisam pensar sobre a morte porque, “Eu pensei sobre isso, realmente não é grande coisa para mim.” Se você realmente pensou sobre isso, lamentou a si mesmo, tudo o que você ama, a raça humana, o mundo, então você deve se sentir como um homem de Tolstoy antes da morte. Tremendo. Apavorado. Humilhado.

Mas isso não significa que também não seja uma coisa gloriosa. Tornando-nos mais autoconscientes, tornando-nos criaturas mais fortes, criaturas que vivem e se alegram nas realidades ferozes da vida.

Que todos possamos chegar ao ponto em que vemos morrer como o poeta libanês Kahlil Gibran.

“Pois o que é morrer, senão ficar ao sol e derreter no vento? E quando a Terra reivindicar nossos membros, então devemos realmente dançar. ”

Dançar com a morte não é uma valsa tensa, mas uma dança frenética, cheia de altos e baixos, redemoinhos e violência. Eu nunca fingiria que é outra coisa. Se você está tentando enfrentar sua própria mortalidade, deve levar muito a sério sua própria estabilidade e saúde mental. Eu faço. E eu nunca te diria o contrário.

Adaptação de conteúdo publicado no blog The Order of the Good Death. Leia o original, em inglês, aqui.

Um comentário em “Ninguém disse (ou vai dizer) que enfrentar a morte é fácil

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: