O fim da vida pode ser mais leve. Saiba como as deathtechs querem ajudar você a garantir, hoje, uma morte tranquila lá na frente

Dani Rosolen – 2 SET 2021- do site Projeto Draft

O luto, até pouco tempo, era analógico, offline e intimista. Isso vem mudando drasticamente.

As pessoas começaram a falar mais abertamente sobre a morte de entes queridos, inclusive em redes sociais. Hoje, há até transmissões ao vivo de velórios pela internet.

Com o tema escancarado no noticiário desde o início da pandemia, a finitude vem deixando de ser um tabu. E assim como outras áreas, esse mercado, de assistência à morte tem se reinventado e digitalizado.

Em alguns países, essa movimentação dos negócios que cuidam do final da vida — conhecidos como deathtechs (ou end-of-life startups) — começou por volta de 2017 e já conta com propostas inusitadas para ajudar a honrar a memória de quem partiu e acolher o luto dos que ficam.

Nos Estados Unidos, por exemplo, a Eterneva transforma cinzas em um diamante que pode ser usado como acessório. A também estadunidense Recompose transforma corpos humanos em adubo por meio de processo de decomposição (já falamos da empresa no nosso Instagram).

My YOV, em fase beta, vai além: usa machine learning e análise de personalidade para desenvolver uma “persona” virtual, permitindo recriar interações em mensagens, voz e vídeo com alguém que já não está mais vivo (parece um episódio de Black Mirror…).

No Reino Unido, a QR Memories criou uma placa de aço com um QR code para ser aplicado em túmulos. Por meio da leitura do código com o celular, o visitante é redirecionado para uma página com fotos, informações e até as músicas preferidas da pessoa homenageada. Outra startup britânica, a Vinily, prensa cinzas humanas em um vinil personalizado.

Aqui no Brasil, o nicho ainda está engatinhando. As deathtechs verde-amarelas por enquanto oferecem soluções com menos cara de ficção científica, para reconfortar enlutados e desatar os trâmites burocráticos relacionados ao fim da vida. Mesmo assim, segundo o Sindicato dos Cemitérios e Crematórios Particulares do Brasil, esse é um setor que já movimenta R$ 7 bilhões ao ano no país.

Conheça a seguir quatro startups brasileiras do mercado da finitude.

ELA TRABALHAVA NO BTG QUANDO TEVE A IDEIA DA CORTEGE

Formada em economia, Carolina Aparicio, 32, trabalhou dez anos no mercado financeiro, em empresas como BNY Mellon, XP Investimentos e BTG Pactual. Foi nesta última passagem que o setor funerário despertou seu interesse. Apesar de atuar na área offshore de futures e derivativos e, depois, em commodities, ela achou curioso quando o banco começou a levantar fundos para a criação de cemitérios e foi pesquisar melhor o assunto.

“Na mesma época, minha família também passou por uma experiência ruim na hora de contratar o funeral de uma pessoa próxima. E vi que existia uma dor nessa área”, diz.

Carolina estudou esse mercado, amadureceu a ideia e, em 2018, decidiu sair do emprego para começar a estruturar a Cortege, um marketplace e hub de informações sobre serviços funerários, como compra de coroas de flores, higienização do corpo, traslado, sepultamento e cremação – tudo contratado de forma online.

“Nessa hora dolorosa, as pessoas se sentem muito perdidas. Não sabem o que precisam fazer, quais as documentações necessárias, taxas a serem pagas, no que há isenção etc. Trazemos essas informações mastigadas e uma base de comparação de serviços funerários”

A operação, de fato, começou no final de 2020. Hoje, a Cortege atua na cidade do Rio de Janeiro e na Grande São Paulo, com 20 funerárias parceiras.

A deathtech acompanha todo o processo de contratação junto aos clientes e, no final, fica com uma comissão das funerárias (de valor não revelado).

A empreendedora também se esquiva sobre o valor do investimento inicial. No segundo semestre do ano passado, a Cortege foi selecionada, junto a outras 16 startups, para um programa de aceleração da WOW. Além da mentoria, as aceleradas receberam um aporte que variou de 60 mil a 200 mil reais , dependendo da empresa.

Houve algum tabu em migrar do ramo financeiro para o funerário? Carolina diz que não viu nisso um desafio, e sim uma oportunidade:

 “Quanto mais a gente fala sobre morte, mais celebramos a vida e mudamos a mentalidade em relação ao tema. Hoje, as pessoas têm seguro para celular, mas não para a morte — e vão olhar essa questão no último momento”

Na verdade, a principal dificuldade desse ramo, diz Carolina, é trazer um mercado extremamente tradicional e offline para o mundo digital, sem perder a humanização do processo em uma tela.

A MORTE PRECOCE DO IRMÃO MOTIVOU A CRIAÇÃO DA GUARDADORIA

Cientista da computação e especialista em direito digital, Fabricio Santana, 39, perdeu o irmão quando ele tinha apenas 40 anos. O choque com a morte precoce fez com que tomasse mais consciência da finitude. A partir daí, começou a se preocupar em organizar seus documentos em uma pasta e compartilhou com o filho dicas sobre como proceder quando o pai não estiver mais aqui.

A pandemia acentuou a percepção geral sobre a importância de se preparar para o fim da vida. E, para Fabricio, abriu caminho para uma oportunidade de negócio. Ele fundou a Guardadoria, ferramenta virtual (lançada em abril de 2021) em que os usuários podem guardar arquivos documentando suas preferências sobre a cerimônia de despedida, dar direcionamento aos bens e eternizar mensagens de afeto.

Fabricio chamou um amigo para a empreitada, Thiago Campos, 31, mentor e empreendedor de outras startups (como a Radix, que foi pauta aqui no Draft). Os dois sócios investiram 50 mil reais no negócio.

Ao se cadastrar na plataforma, o usuário pode deixar suas orientações e memórias para seus “Guardiões da Vida” — pessoas de confiança escolhidas pelo cliente que terão acesso a suas informações pessoais e a incumbência de garantir que suas vontades registradas sejam cumpridas. Segundo Thiago:

“A princípio, pensamos em um modelo de negócio de assinatura, mas optamos por oferecer a plataforma gratuitamente, pois entendemos que ninguém iria pagar algo para ‘usar’ depois da morte. Decidimos partir para o lado educacional, vendendo aos usuários a oportunidade de conhecimento sobre o tema e espaço de marketing para anunciantes”

Thiago Campos (à esq.) e Fabricio Santana, cofundadores da Guardadoria.

Hoje, a Guardadoria fatura, nesse pilar educativo, através de três frentes: um curso de “planejamento de legado”, para preparar o participante sobre as questões importantes do final da vida (custa 997 reais); uma consultoria destinada a quem prefere delegar a gestão dessas tarefas a um especialista (1 997 reais); o e-book  Tríade do Legado: Um método prático de planejamento para o final da vida, vendido a R$ 19,90.

O livro foi escrito pelos sócios e divide em três tipos as tomadas de decisão em caso de morte: operacionais (questões práticas ligadas ao desejo da pessoa falecida para seu velório, além do que fazer com seu celular e redes sociais – a chamada “herança digital”), financeiras (testamento, divisão do patrimônio etc.) e emocionais (orientações a respeito dos entes queridos e das memórias e legado).

Segundo o empreendedor, a principal benefício da Guardadoria é aliviar o peso do luto e o de tomar determinadas decisões em nome de quem não está mais aqui.

“Imagine que a pessoa que morreu amava livros e queria que eles fossem preservados na família, mas os parentes não sabiam disso e decidiram doá-los… Para quem fica, ter essas vontades pré-determinadas permite que a pessoa tenha mais paz e serenidade nesse momento doloroso”, diz.

O cliente também consegue viver melhor sabendo que já deixou tudo organizado e que preservou suas memórias.

“A gente vive numa sociedade em que não temos praticamente registro nenhum dos nossos bisavós. Na Guardadoria, o cliente pode deixar registrado seu estilo de vida, pensamentos religioso ou político para as próximas gerações”  

Com quatro meses, a startup já vendeu alguns cursos e exemplares do e-book e conquistou 200 usuários ativos. A meta é quintuplicar esse número até o fim do ano.

OUVIR A VOZ DO PAI FALECIDO NA SECRETÁRIA ELETRÔNICA INSPIROU A MEU ÚLTIMO DESEJO

Mário Cássio Maurício, da Meu Último Desejo

Em 2003, o pai de Mário Cássio Maurício foi diagnosticado com câncer. Chegou a fazer quimioterapia, mas teve uma complicação no intestino e precisou de uma operação de emergência.

“Foi a última vez que vi meu pai consciente — e, infelizmente, gritando de dor”, lembra Mário, que hoje tem 52 anos. Depois da cirurgia, o pai passou dois meses em coma, até falecer.

“Para mim foi um choque muito grande. Eu tinha 33 anos e meu pai, 63. Era o ano que ele tinha programado para se aposentar. Isso me fez entender que a gente tem que viver a nossa vida da melhor maneira todos os dias.”

Na época, Mário se tornou inventariante do pai, que já tinha outra família. “A ex-companheira dele pegou tudo o que tinha em seu escritório e levou para a casa. Fiquei quase sem nenhum documento para começar o inventário.”

Depois de quatro anos, Mário consegui pegar algumas coisas do pai, entre elas a secretaria eletrônica.

“Quando coloquei o aparelho na tomada e apertei o play, chorei ao ouvir a voz do meu pai. Não tinha nada de mais ali, era só ‘por favor, após a mensagem deixe seu recado’…, mas ouvir a voz dele foi maravilhoso”

As burocracias do inventário e a falta de vestígios materiais do afeto entre ele e o pai inspiraram Mário a empreender o Meu Último Desejo. “Queremos ajudar as pessoas tanto no lado emocional, com as mensagens, como no financeiro, diminuindo as disputas em família por meio da organização do patrimônio e do testamento”, diz.

Mário não vê sua empresa como uma deathtech, e sim como uma lifetech, pois o contrato e as decisões são tomadas em vida. A empresa tem duas funções: ferramenta de planejamento sucessório familiar com foco em testamento e patrimônio; e serviço de armazenamento e envio mensagens, fotos, arquivos e desejos mais práticos: enterro ou cremação, música a ser tocada no velório etc.

O material é revelado aos destinatários na data escolhida pelo cliente, que pode escolher dois tutores para acessarem esse material após sua morte e entregarem as mensagens aos destinatários no momento correto (apenas em caso de testamento vital, o tutor pode ter acesso ao material antes do prazo).

Em 2018, quando teve a ideia do negócio, Mário era presidente de uma empresa de vistoria automobilística, na qual trabalhou por mais de 20 anos. Investiu 500 mil reais para o lançamento do Meu Último Desejo, em agosto daquele ano, e adotou uma estratégia de divulgação inusitada para a imprensa:

“Em vez de mandar um release, propomos para alguns repórteres conversar com suas mães e seus pais. Gravamos mensagens com eles e depois fomos à redação com um tablet mostrar o material. Os jornalistas entravam em uma sala sozinhos e caíam no choro. Depois, apresentávamos nosso vídeo institucional e o release.”

O Meu Último Desejo começou a operar no B2C, oferecendo uma assinatura (R$ 6,99 por mês) para dar acesso a um espaço de 3 gigabytes, em que os clientes podem registrar suas memórias, indicando quem vai receber aquela mensagem. Atualmente são 300 assinantes.

“Temos a opção de mensagens póstumas e cronológicas. Ou seja, o cliente define se a pessoa vai receber um dia depois do seu falecimento, em um mês, um ano etc., ou se a mensagem será enviada em datas comemorativas, como aniversários, casamento dos filhos, nascimento dos netos. Para isso, precisamos que os tutores nos mantenham informados sobre essas ocasiões”

Em 2019, porém, Mário entendeu que o modelo B2C não seria escalável e começou a estudar o B2B2C, ofertando o serviço a corretoras, seguradoras e assistências funerárias. Nas suas palavras, a empresa tornou-se assim “o primeiro benefício sucessório do mercado”. “Estamos implementando e testando este modelo na seguradora mineira TGL, que tem uma base de 10 mil clientes”, diz.

A Meu Último Desejo já foi selecionada para o programa de inovação da MAPFRE e agora está passando pela aceleração da Vitasay50+ (parceria da Hypera com a Yunus). De olho no lado social, a empresa também está fechando uma parceria com uma instituição de longa permanência de idosos LGBTQIAP+.

“A cada cinco planos vendidos, vamos destinar um a essas instituições. Descobrimos que a transferência de patrimônio no mundo LGBT é muito difícil, independente das questões legais de união estável existirem — e queremos ajudar a mudar isso.”

TOCA VIDA, UM RECURSO PARA DEIXAR SUA FAMÍLIA PREPARADA PARA SEGUIR EM FRENTE

Marcos Silvestre, co-fundador da Toca Vida

Por experiência pessoal, o economista Marcos Silvestre, 53, e o administrador de empresas Cristiano Verardo, 47, perceberam que a maior parte das pessoas com dependentes não faz uma preparação adequada da sua partida, deixando a “casa bagunçada” para quem fica. Marcos afirma:

“Na prática, isso impede que a família possa vivenciar seu luto com mais dignidade e serenidade, e atrapalha demais os próximos passos, de adaptação da vida que segue”

Os dois já atuavam em áreas como finanças pessoais, previdência, seguros e investimentos. Estudando melhor o tema, sentiram falta no mercado de uma ferramenta digital simples para esses registros. Assim surgiu a Toca Vida, uma plataforma que centralizar, em um único ambiente, documentos, contatos importantes, orientações sobre funeral e doação de órgãos, lembranças, ensinamentos, mensagens para o futuro, sugestão de desejos para os sucessores, fotografias e vídeos.

Os sócios tiveram a ideia em 2018 e investiram 1,2 milhão de reais para desenvolver o negócio, lançado há um ano (a empresa já foi perfilada aqui em Acelerados).

Na plataforma, o cliente encontra três pastas a serem preenchidas para organizar seu planejamento sucessório: “Despedida”, em que pode deixar instruções sobre suas preferências em relação à cerimônia de cremação ou enterro, se é doador de órgãos etc.; “Vida Prática”, para informações financeira (conta bancária, contato do gerente, dados de seguros de vida, apólices e planos de previdência); e “Influência”, usada pelo cliente para deixar conteúdos de valor afetivo, como vídeos, fotos e cartas.

Para que as pessoas possam ter acesso a esse material após a partida, o usuário precisa definir um “guarda vida” (como ocorre também na Guardadoria e na Meu Último Desejo). Marcos afirma:

“Pouco gente tem coragem de tocar nessa ferida das partidas. Mas é um fato: vai acontecer com todos nós mais cedo ou mais tarde. A dor é profunda e duradoura, mas com a falta de preparação mínima, tudo fica ainda pior, pois a confusão intensifica e prolonga o sofrimento… Até que a saudade se transforme, não poucas vezes, em raiva de quem partiu e deixou as coisas bagunçadas”

A plataforma, que também prefere o termo lifetech, cobra uma assinatura anual (119 reais) e conta hoje com mil usuários. A meta, porém, é ambiciosa: alcançar 1 milhão de famílias até 2024.

Para impulsionar a adesão, a Toca Vida está oferecendo acesso gratuito até 17 de outubro. A data não foi escolhida por acaso: é o Dia Nacional da Vacinação. “Esta é a nossa contribuição na luta contra a pandemia.”

Matéria publicada no site Projeto Draft. Leia o original aqui

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: